Bombeiros do DF recebem 21 carros e 3 mil kits de proteção para combater incêndios

Em agosto, capital teve alta de 98% nos incêndios, em relação a 2017; estiagem é maior e mais intensa, diz Inmet. Buriti investiu cerca de R$ 6,3 milhões no pacote.

O governo do Distrito Federal entregou, nesta segunda-feira (11), 21 veículos e 3 mil conjuntos de equipamentos de proteção individual (EPIs) para o Corpo de Bombeiros. Os itens serão usados no combate aos incêndios florestais, frequentes nesta época do ano.
Segundo o Palácio do Buriti, cada carro custou cerca de R$ 160 mil, e cada kit de segurança, R$ 1 mil. Por esse cálculo, o governo investiu cerca de R$ 6,3 milhões no pacote entregue nesta segunda.
O kit individual é composto por calça, camiseta, bota e o capacete. Todos os equipamentos são feitos de materiais retardantes do fogo, para dar maior segurança ao trabalho realizado pelos bombeiros.
Tempo seco
Nesta segunda, o Distrito Federal completou 112 dias sem chuvas. Com a estiagem intensa e prolongada, em agosto, o DF registrou 3.018 incêndios florestais – alta de 98% na comparação com os 1.528 casos de 2016, de acordo com os bombeiros.
“Mesmo assim, só aumentamos em 20% a área queimada. Então, o tempo é primordial para chegarmos cada vez mais rápido nas ocorrências, e darmos mais segurança à sociedade e ao meio ambiente”, diz o comandante-geral da corporação, coronel Hamilton Santos.
A meteorologista-chefe da previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Josefa Morgana Viturino, diz que a seca é o fator principal para essa propagação dos focos de incêndio – e que a situação deve permanecer inalterada nas próximas semanas.
“Neste ano, tivemos menos chuvas que no ano passado e, por si só, isso já é um grande elemento para favorecer os incêndios. Outras coisas que potencializam são as temperaturas elevadas, a umidade do ar baixa e o vento.”
“Estamos há 112 dias sem chuvas e, até o dia 24 de setembro, as chances são pequenas. Ano passado, a seca foi um pouco menor, de 86 dias, e choveu em agosto.”
Fonte: G1

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário