Câmara de SP cria comissão e divide direitos humanos e segurança

Comissão foi dividida para abrir novo espaço para novos vereadores.
Ex-comandante da Rota, Coronel Telhada reivindica presidência.
A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na terça-feira (3) o projeto de resolução 11/2013 que cria a comissão extraordinária permanente de Segurança Pública, criada a partir do desmembramento da Comissão Extraordinária de Direitos Humanos, Cidadania, Segurança Pública e Relações Internacionais.
Ex-comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar, o coronel reformado e vereador Paulo Telhada (PSDB) é candidato a presidir a nova comissão. 
“Se eu puder ser o presidente, creio que tenho experiência suficiente para isso, mas os outros colegas também são pessoas aptas.”
O vereador Ari Friedenbach (PPS) reivindica espaço na mesma comissão.
A proposta de mudança da comissão partiu do PSDB e tem apoio do PT e busca solucionar um impasse criado com a insatisfação de parte dos vereadores com a presença de um ex-coronel da Rota na Comissão de Direitos Humanos.
Telhada reclamou do posicionamento de vereadores que se opuseram à sua presença na comissão de direitos humanos.
Quando se falou nessa cisão, não concordei muito porque achei que foi uma espécie de preconceito contra policiais na comissão de direitos humanos”, disse Telhada.
O coronel reformado disse que acabou convencido por colegas que alegaram que, por ter muitos ex-policiais na Câmara, seria interessante ter uma comissão específica de segurança pública. “Realmente esse argumento é muito válido”, afirmou.
Do G1 São Paulo

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário