Capitão Augusto, deputado federal, está em Jundiaí e quer fundar Partido Militar

O deputado federal José Augusto Rosa, o capitão Augusto, está em Jundiaí nesta terça-feira (09), para encontro com policiais militares em evento que terá início no fim das tarde, no 11° Batalhão de Polícia Militar do Interior. Notório por participar das sessões do Congresso Nacional trajando seu habitual fardamento, o político atendeu a reportagem do Portal Tudo para uma conversa.
Explicou que aproveita o recesso parlamentar (que segue até o dia 5 de fevereiro) para visitar algumas cidades do interior do Estado. Vindo de Americana, capitão Augusto chega á cidade para, segundo ele, trazer notícias aos militares, como a reforma da Previdência. Em seu primeiro mandato, o policial militar é candidato á reeleição. Além disso, disse á reportagem que vai entrar com a homologação, em fevereiro, de um novo parido político: o PMB (Partido Militar Brasileiro).

‘’o numero do partido vai ser 38, que é os ’três oitão ‘ que a gente conhece’’, disse capitão Augusto. ‘

’Seguimos todos os pré-requisitos do Tribunal Superior Eleitoral e esperamos homologar o partido o mais rápido possível. Será o único partido exclusivamente de direita no Brasil, com vínculo ideológico no extinto Arena (Aliança Renovadora Nacional). Todos os outros partidos são oriundos do MDB. Mesmo o PR, onde estou, é de centro-direita. Queremos um partido só de direita’’, garantiu.
Perguntado sobre a possível candidatura de Jair Bolsonaro á presidência, capitão Augusto confirmou apoio ao candidato do PSC. ‘’É um homem íntegro, honesto, que vai acabar com as negociatas nos cargos em Brasília. As escolhas para cargos públicos têm de serem feitas com base na meritocracia’’.

Para o policial, foi um choque, após 24 anos na Polícia Militar, chegar em Brasília e ver como as coisas funcionam. ‘’Olha, se a gente soubesse como a salsicha é feita, nunca mais a gente comia, não é mesmo?! Na Câmara dos Deputados tudo é diferente da corporação policial, tudo é difícil, o sistema bicameral (Câmara e Senado) não funciona muito, as coisas são lentas e o presidente governa por medidas provisórias quando bem entende, trancando a pauta. É decepcionante’’.

– E mesmo assim o senhor deseja continuar?

– A gente tem de mudar isso. Votei pelo impeachment da Dilma, pela cassação do Eduardo Cunha, pelo prosseguimento das investigações contra Temer. Fiz a minha parte. E olha,mais de 60% dos brasileiros não se identificam com os partidos que estão aí, mas se identificam com a ideologia da direita. Vamos fortalecer o sistema penal brasileiro, diminuir o tamanho do estado e lutar contra o aborto, contra a ideologia de gênero, contra adoção de crianças por casais gays.

Em tempo, os militares estão fora de qualquer reforma previdenciária que possa vir a ocorrer em horizonte próximo. ‘’não é por regalia, é por direito mesmo. Os militares têm cinco direitos assegurados na Constituição. Um civil tem 54 direitos. Não é justo dar os mesmo deveres a quem tem direitos diferentes’’.
Atualmente no Estado de São Paulo 112 policiais militares ocupam cargos eletivos no poder público.

Fonte: Tudo.com.vc

Comente esta matéria

Comente esta matéria