CIODS: local de informações e fofocas

Outro dia, ao entrar de serviço no CIODS, fiquei sabendo que o TC Hermelindo no final de julho, na condição de Coordernador de Operações do CIODS, seguindo determinação do Comandante Geral, o Cel Luciano Silva, fez uma diligência a Marechal Deodoro no sentido de buscar e apreender o carro do Cap Gouveia (aquele mesmo que era comandante da Guarda Municipal daquele município, mas que foi “exonerado após a nossa postagem”), um Golf Soportline, financiado. Até aí tudo bem. O problema é que segundo “informações quentíssimas” do serviço reservado – que o Cel Gilmar retirou das unidades e centralizou no CPC – o capitão estaria com um carro de “estouro”, ou seja, o carro estava com a situação irregular.
Então, dando cumprimento á ordem recebida, o nosso valoroso guerreiro foi até a residência do capitão, de onde (segundo os informes), apreendeu o carro que estava na garagem e logo em seguida o recolheu ao pátio do QCG. “Para deixar o carro à disposição do comando”, revelou-nos um a favor.
Que o carro era financiado, isso tinha sido confirmado pelo Cap Gouveia, que alertou: “coronel, não faça isso [a apreensão], pois o carro tá todo legalzinho, as prestações estão dia, veja aqui no boleto bancário”. Tendo como resposta: “capitão, eu estou cumprindo a ordem do comando e vou cumprir com o meu dever, não complique a sua situação”. E assim, para constrangimento do oficial intermediário perante a sua família e demais vizinhos, o carro (cuja parte do valor foi pago com o dinheiro que o capitão ganhou quando esteve atuando pela Força Nacional, em Goiás) foi recolhido.
Algum tempo depois desse ocorrido, o Cap Gouveia (juntamente com um representante do banco que financiou o carro, disseram) conseguiu a liberação do veículo – para constrangimento do Hermelindo e do Comandante Geral. A propósito, sempre que o Cel Luciano “precisa” de algum subalterno para cumprir as suas ordens mais “complexas”, os seus oficiais preferidos são os irmãos: Cícero e Hermelindo (qualquer explicação de que seja “coincidência”, para mim não cola). Segundo informes que recebemos, o capitão vai processar o “Estado” por constrangimento ilegal e abuso de autoridade.
São situações assim que ajudam a entender porque é que a segurança pública de Alagoas está um caos, com uma tragédia após a outra, chegando ao ponto de terem – recentemente – matado um adolescente em frente ao Posto Policial do Vergel.

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário