Coisas da Caserna


Briosos Leitores,
Ao analisarmos com um pouco de atenção o BGO nº 174, de 15 de setembro de 2011, que foi publicado às vésperas do feriado, constatamos na página 14 a seguinte anotação: “Formulário de Adesão do Plano de Saúde AMIL”. E então, analisando com a devida atenção sobre o que se tratava, um pouco acima, de acordo com a NP nº 311/11, da Diretoria de Ensino, percebemos que a referida NP faz menção a um CURSO FORA DA CORPORAÇÃO – no BATALHÃO ESCOLA DE PRONTO EMPREGO – BEPE / 2011/2012.
Diante disso, concluímos o seguinte:
Qualquer um candidato que nunca prestou serviço à Força Nacional, ao passar em todas as fases eliminatórias, diante da obrigatoriedade de, no ato da mobilização, apresentar o Contrato de Adesão do Plano de Saúde AMIL, poderia achar que se trata de mais uma maracutaia, pois a falta de esclarecimentos sobre esse ponto induz a isso.
A nosso ver, o governo ou a corporação ao estabelecer que alguém faça a adesão a um Plano de Saúde específico sem dar opções, nem ao menos prestar esclarecimentos, é algo muito “estranho”. Portanto, fiquem atentos a qualquer situação não ou mal esclarecida.
Não sei por que, mas quando nos deparamos com essa informação do Plano da AMIL, o nosso pensamento foi tão fértil quanto o do candidato desavisado – que logo imagina que deva se tratar de mais um “arrumadinho”. Além do mais, bastou fazer menção à área da saúde, tal situação nos remeteu logo a uma pessoa: Liberato, o coronel que (sabe-se lá como) “atua” como médico em vários hospitais (clique aqui)! Não estamos dizendo que ele tem participação em “arrumadinhos”, quer dizer, ainda não sabemos, mas que a sua vinculação a vários hospitais trata-se de um “esquema”, disso não tenham dúvidas. Até mesmo porque, se o Coronel Liberato tinha que cumprir com as obrigações dentro da Polícia Militar, como é que o mesmo tinha tampo para dar plantão em tantos hospitais simultaneamente?
E depois ainda dizem que somos “fofoqueiros”…

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário