Delegado apura se ataque a quatro ônibus partiu de cadeia em MT

Veículos estavam no pátio da Prefeitura de Sorriso, no Norte do estado.
Dois adolescentes foram apreendidos e um deles confessou o crime.

Ônibus usados para transporte de crianças foram incendiados em Sorriso, MT. (Foto: MT Notícias)Ônibus usados para transporte de crianças foram incendiados em Sorriso. (Foto: MT Notícias)
A Polícia Civil de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, investiga se partiu de dentro da cadeia pública municipal a ordem dos ataques a quatro ônibus, sendo três escolares e um do setor de Saúde, que estavam no pátio da prefeitura, na madrugada de terça (19). O delegado Pablo Borges Rigo também não descarta a ligação do caso com o incêndio a seis ônibus em um terminal de transporte em Sinop, distante 503 km da capital, no dia 3 deste mês.
O delegado reassalta que as duas ações são similares e podem estar relacionadas. Dois adolescentes, ambos de 17 anos, foram apreendidos suspeitos de terem incendiado os ônibus em Sorriso e prestaram depoimento à polícia nesta quarta-feira (20). O delegado contou que um deles confessou que cometeu o crime, como forma de protesto, em apoio ao pai e ao irmão que cumprem pena na cadeia da cidade. “Diante de diversas reivindicações dos detentos na unidade, ele [menor] disse que a motivação foi para apoiar a família que está presa e reclama das condições da cadeia. Ele [ menor] disse também que foi para chamar a atenção sobre a questão”, relatou.
Ainda segundo o delegado, em um primeiro momento eles confessaram aos policiais militares que cometeram o crime. Porém, ao serem ouvidos na delegacia um confessou o crime e o outro negou ter participado do ato. Contudo, Rigo ressaltou que o adolescente não especificou se a ordem do ataque partiu dos detentos. “Estamos verificando essa possibilidade, como ainda a possibilidade de envolvimento de um terceiro suspeito na ação criminosa”, frisou. Segundo o delegado, alguns reeducados foram ouvidos e reclamaram da alimentação na cadeia, falta de estrutura e a proibição de algumas visitas.
“As investigações não terminaram. Temos uma série de elementos e vamos verificar o envolvimento de outras pessoas, que podem ter ajudado no fornecimento do combustível, por exemplo, ou ter pensado no modo da ação”, pontuou o delegado.
Prisão
Os policiais civis analisaram imagens captadas pelas câmeras de segurança de um posto de combustível na região e observaram dois suspeitos em uma motocicleta comprando gasolina e armazenando em um galão. Entretanto, um galão com as mesmas características que aparece nas imagens foi deixado pelos adolescentes no local do incêndio.
Durante as buscas, os policiais localizaram uma motocicleta, que era pilotada por um dos menores. Ele foi detido por não ter carteira de habilitação e, na ocasião, acabou confessando o envolvimento no ataque aos ônibus com o comparsa.
De acordo com o delegado, os adolescentes teriam pulado o muro da prefeitura e entraram no ônibus pela janela. “Eles espalharam combustível nos veículos, jogaram o galão pela janela, o que ficou bem nítido na perícia, e riscaram o fósforo”, contou.
Do G1 MT

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário