'Era ele ou minha família', diz policial do MA que matou assaltante em Natal

PM reagiu a assalto no dia 2 de julho em uma pousada em Ponta Negra.
Ferido no confronto, Pedro Nascimento recebeu alta médica.

Recebeu alta médica o policial militar do Maranhão Pedro dos Santos Nascimento, de 36 anos, que foi baleado durante uma troca de tiros com assaltantes que tentaram fazer um arrastão em uma pousada no dia 2 de julho deste ano no bairro de Ponta Negra, em Natal. Um dos suspeitos foi atingido e morreu na hora. Após deixar o hospital, o PM falou com a Inter TV Cabugi e declarou: “Era ele ou a minha família”.
O policial contou que volta ao Maranhão ainda nesta quarta-feira (6). Ele passou um mês internado no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel. “Vou precisar de cinco meses de fisioterapia para poder voltar a trabalhar”, acrescentou.
Sobre o ocorrido, Nascimento lembra ter sido acordado pela mulher dele, dizendo que a pousada estava sendo assaltada. “Eu levantei, fui na porta do quarto e tinha lá um assaltante com a arma dizendo pra eu abrir. Peguei minha arma e fui na direção dele, que atirou. Então eu revidei”, afirmou.
Pedro dos Santos Nascimento é PM no Maranhão  (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)Pedro dos Santos Nascimento é PM no Maranhão
(Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)
A professora Kessia Moura, mulher do PM, disse estar feliz, pois vai poder passar o Dia dos Pais perto dos quatro filhos do casal. “Nasci de novo”, comemorou o policial.
O assalto
Pedro Nascimento chegou a Natal para passar férias e se hospedou na pousada que pertence à sogra dele, no bairro de Ponta Negra. O estabelecimento foi alvo de uma tentativa de assalto na noite do dia 2 de julho. O PM reagiu e houve troca de tiros. Um dos criminosos foi atingido e caiu morto dentro da piscina da pousada. O policial também foi baleado, sendo socorrido ao Pronto-Socorro Clóvis Sarinho.
O assaltante morto, segundo a Polícia Civil, foi identificado como Wanderson Matheus, mais conhecido como ‘Pitombinha’. Além dele, participaram do crime outros quatro suspeitos, todos indiciados por latrocínio tentado – já que atiraram contra o PM – e formação criminosa pela participação no assalto à pousada.
O delegado Daniel Couto Maurício, responsável pelas investigações, contou que os quatro respondem pelo assalto em liberdade. A motivação do crime seria conseguir dinheiro para o pagamento de um HD externo adquirido por Pitombinha. Os suspeitos entraram na pousada como se fossem se hospedar, em seguida anunciaram o assalto e renderam a recepcionista e alguns hóspedes.
Quando o grupo se dirigia para um dos quartos, o policial percebeu a ação e atirou contra os suspeitos.
Do G1 RN

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário