Fachin autoriza prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, teria autorizado os pedidos de prisão temporária do empresário Joesley Batista, da JBS, e do diretor da empresa Ricardo Saud. O ministro também haveria negado a prisão do ex-procurador Marcelo Miller. Como o processo está sob sigilo, ainda não há confirmação oficial a respeito. O pedido de prisão dos três foi feito na última sexta-feira (8) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.  
Não há prazo para o cumprimento da decisão por parte da Polícia Federal. O procedimento para a ação depende de trâmites burocráticos que podem ou não ocorrer ainda neste domingo (10).
No sábado (9), as defesas de Joesley e Saud e a de Miller colocaram os passaportes à disposição das autoridades pediram para ser ouvidos antes da decisão do ministro. Eles também pediram para ser ouvidos antes que Fachin tomasse uma decisão a respeito da prisão.
Na última segunda-feira (4), o procurador-geral anunciou, uma investigação sobre a possível omissão de crimes por parte dos executivos que não foram revelados durante o acordo de delação premiada entre a PGR e o grupo.
“Janot, nesta sua escola eu fui professor”, diz Joesley; ouça trechos
Ao longo da semana, Joesley e Saud emitiram uma nota oficial na qual eles afirmaram que as conversas sobre as atuações de Miller, Janot e as menções feitas a ministros do STF não eram verdadeiras.
Na última quarta-feira (6), ministros do STF defenderam a suspensão dos benefícios concedidos aos executivos do grupo, mas sustentaram que as provas oferecidas pelo grupo até agora precisam continuar válidas. O ministro Luiz Fux chegou a sugerir que Joesley e Saud deveriam ser presos.
Fonte BOL

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário