Idoso suspeito de matar gato a tiros vai para a cadeia no Tocantins

Ele ficou preso por 48h, mas foi solto após pedido de liberdade provisória.
Gato foi morto com tiro de uma espingarda calibre 38, em Araguatins.

O gato teria sido morto com um tiro de uma espingarda calibre 32, em Araguatins (Foto: Divulgação/PM TO)O gato teria sido morto com um tiro de uma espingarda calibre 32, em Araguatins (Foto: Divulgação/PM TO)
Um idoso de 62 anos foi preso por suspeita de atirar em um gato, em Araguatins, região norte do estado. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o lavrador João Batista Alves, chegou a ficar preso por 48h. Ele foi para a cadeia do município na última sexta-feira (8), dia em que aconteceu o crime. Neste domingo (10), o juiz concedeu o pedido de liberdade provisória feito pela Defensoria Pública do município. O gato morreu.
Segundo a Polícia Militar, os PMs foram acionados por um morador que teria ouvido o barulho de um tiro. Quando os policiais chegaram ao local encontraram o gato morto. O animal estava em uma rua em frente a casa de Alves, na região central do município.
Questionado pelos PMs, o idoso negou ter cometido o crime. Mas a polícia encontrou uma espingarda calibre 32 no quintal da casa do suspeito. A arma estava escondida em meio a folhas de uma bananeira. Alves foi encaminhado à delegacia do município e ouvido por um delegado. No depoimento, ele também negou ter atirado no gato.
O lavrador foi preso na sexta-feira e solto neste domingo após o juiz conceder liberdade provisória a ele. O suspeito está respondendo pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e de maus tratos aos animais. Ainda de acordo com a SSP, um inquérito foi instaurado para apurar as causas do crime.
A secretaria disse que os vizinhos do suspeito vão ser ouvidos. A SSP informou ainda que o gato seria de uma moradora do setor, mas que ela não havia se identificado ainda, “provavelmente por medo”, segundo o órgão.
O G1 tentou contato com a Defensoria Pública do Tocantins mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.
Do G1 TO

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário