Juiz determina transferência de presos da Central de Flagrantes

José Braga Neto disse que situação na unidade é inadmissível.
Presos deverão ser levados para a Casa de Custódia e Sistema Prisional.

Viaturas da PM aguardam em frente a Central de
Flagrantes (Foto: André Feijó/Tv Gazeta)

O juiz da 16ª Vara de Execuções Penais, José Braga Neto, informou, na manhã desta segunda-feira (4), que determinou a transferência de presos da Central de Flagrantes para a Casa de Custódia e para o sistema prisional devido à superlotação naquela unidade. A medida acontece depois que a central deixou de receber presos por falta de vagas na carceragem.
Na manhã desta segunda, a carceragem está com 36 presos, distribuídos em apenas três celas. A capacidade do local é de quatro presos por cela. Sem ter para onde levar as pessoas apreendidas, viaturas da Polícia Militar aguardam em frente ao prédio para fazer o procedimento de prisão.
Para Braga Neto, mesmo que as outras unidades estejam superlotadas, os presos não podem ficar esperando tanto tempo em viaturas para fazer um procedimento. “Apesar da Casa de Custódia também registrar superlotação, a situação na Central de Flagrantes é pior. A Casa de Custódia tem 82 presos e pode sim receber esses outros. É inadmissível se negar a receber presos”, afirmou.
A superlotação já se tornou uma situação corriqueira na Central de Flagrantes. Em julho deste ano, os serviços também foram suspensos por falta de espaço na carceragem. Na ocasião, o juiz da 16ª Vara de Execuções Penais, José Braga Neto, e o promotor de Execuções Penais, Cyro Blatter, fizeram uma visita a unidade e constataram a superlotação.

A assessoria de comunicação da Polícia Civil não soube informar se há alguma medida oficial a ser tomada para minimizar os transtornos na Central de Flagrantes.
Do G1 AL

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário