Operação no RJ prende 47 policiais por corrupção

São 41 policiais militares e seis policiais civis; eles são acusados de formação de quadrilha, concussão e roubo
A SSINTE (Subsecretaria de Inteligência) da Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro deflagrou ontem (30) a “Operação Compadre”, com objetivo de cumprir 78 mandados de prisão, entre eles 53 contra policiais militares e sete contra policiais civis, e outros 78 mandados de busca e apreensão. Até o fechamento desta edição, 51 pessoas haviam sido presas, sendo 47 policiais. Eles são acusados de formação de quadrilha, concussão e roubo.
A partir das investigações da SSINTE e da Corregedoria da Polícia Militar foi constatado o envolvimento de policiais civis e militares na cobrança de propina de camelôs e mototaxistas ilegais nos bairros de Honório Gurgel, na zona norte, e Bangu, na zona oeste. Mais cedo, a Polícia Militar havia informado que sete policiais civis foram presos, mas corrigiu a informação.
O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou que todos os policiais envolvidos deverão ser expulsos da corporação.
“Não vejo outra resposta a não ser a demissão de todas essas pessoas. As acusações são graves, e a composição da prova é de qualidade”, disse ele. “(A corrupção policial) é um problema sério e crucial no Brasil. Infelizmente, o agente público que tem que defender a população se aproveita da condição de servidor público para auferir para si ganhos indevidos, completou.
Segundo as investigações, os réus exigiam de camelôs e mototaxistas, por meio de ameaças com armas, determinadas quantias de dinheiro: os comerciantes que trabalhavam com mercadorias “pirateadas” (DVDs, aparelhos eletrônicos, telefones celulares, roupas e relógios usados) eram coagidos a pagar R$ 70, divididos em duas parcelas de R$ 35 cobradas todas as quartas e quintas-feiras; já dos vendedores de mercadorias lícitas era cobrada a quantia de R$ 5, sempre às sextas e sábados. Além disso, mercadorias apreendidas de forma irregular eram revendidas a outros feirantes.
Em flagrantes feitos pelas equipes de Inteligência da Secretaria de Segurança foi detectado ainda que um homem, que se passava por policial civil, e policiais militares repartiam o dinheiro recolhido com duas viaturas que costumavam parar sistematicamente para recolher a propina.
Durante a apuração da denúncia, foi identificado que muitos mototaxistas faziam ainda o transporte de drogas para usuários.
Diário de Marilia

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário