PM prende ladrão, recupera celular roubado e descobre, em mensagens, que mulher havia sido estuprada

Caso aconteceu em Itaquaquecetuba. PM baixou Whatsapp no seu telefone pessoal para acessar mensagens da vítima.

Um policial militar prendeu um homem em Itaquaquecetuba e, depois de recuperar um celular roubado, descobriu em mensagens do Whatsapp que a vítima de 17 anos também tinha sido estuprada por ele. O homem foi preso por roubo e estupro na Delegacia Central da cidade. A polícia acredita que ele seja autor de outros estupros.
Pelas conversas no grupo da família da vítima, o policial descobriu que além de ter o aparelho roubado, a mulher também havia sido estuprada pelo homem horas antes da prisão.
O PM do 35° Batalhão, que fez a abordagem do suspeito após denúncia, usou o celular pessoal para checar o Whatsapp do aparelho roubado, que estava com a tela bloqueada por senha.
A ocorrência começou quando uma segunda vítima, que havia sido roubada no fim da tarde de segunda-feira (18) viu o suspeito andando nas ruas do bairro Jardim Odete na manhã de terça (19). O homem tinha roubado R$ 90 da moça. Ela chamou a polícia, descreveu as características do assaltante e as roupas que ele vestia.
“Começamos então um patrulhamento pelo bairro e vimos o suspeito em um telefone público da Estrada de Santa Isabel. Fizemos a abordagem, ele estava sem documentos e disse que não sabia informar seu nome, de onde era. Vimos que ele estava com um celular com a tela quebrada e bloqueada. Levamos ele para o DP onde a moça fez o reconhecimento dele por roubo no dia anterior”, explicou o cabo Igor dos Anjos.
Os policiais suspeitaram que o celular também fosse roubado, já que o homem dizia que não sabia destravar a tela que estava bloqueada.
Então, o cabo Josafá Batista usou o celular roubado para ligar para o 190. Depois ele usou o celular pessoal para tentar identificar o dono do aparelho.
“Usamos o atendimento de emergência da polícia para descobrir o número do celular com suspeita de roubo. Com o número na mão, meu parceiro baixou mais um Whatsapp no celular pessoal dele e cadastrou o número da vítima. Veio uma mensagem com código no celular roubado autorizando a migração para o aparelho novo. Autorizamos e ai o celular do PM começou a receber as mensagens que estavam no aplicativo e não tínhamos conseguido acesso no aparelho roubado por causa da tela bloqueada”, disse.
Foi então que o policial foi surpreendido. Ele não só conseguiu identificar a dona do celular que foi vítima de roubo, como também descobriu que ela havia sido estuprada pelo homem horas antes da prisão.
“Meu parceiro acessou o grupo da família dela e leu a conversa. Nela, os parentes estavam avisando que a vítima, que está grávida de quatro meses, tinha sido estuprada naquela manhã, enquanto ia para escola. Uma outra viatura da PM estava acompanhando no hospital uma vítima de estupro. Entramos em contato, e conseguimos identificar que tratava-se da mesma mulher. Ela veio registrar o boletim de ocorrência depois de passar por exames e reconheceu o autor”, detalhou.
O homem não apresentou documentos pessoais e também não foi localizado nos registros do Estado de São Paulo. Por isso, o delegado precisou criar um RG Criminal, com base em informações passadas por ele para viabilizar sua prisão em flagrante.
A polícia acredita que ele não seja natural de São Paulo, e que tenha sido autor de outros casos de estupro.
“Muitas mulheres não denunciam estupro por ser um crime muito invasivo, que provoca um grande constrangimento e uma fragilidade na vítima. Mas acreditamos que esse homem tenha feito mais vítimas sim e esperamos que, com a divulgação da foto dele, essas vítimas procurem a polícia”, destacou o PM.
Quem tiver informações pode denunciar pelo telefone 181 (não é preciso se identificar) ou na Delegacia de Itaquaquecetuba pelo telefone 4647-1758.
Fonte: G1

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário