PM se aquartela e policiais invadem Assembleia

Os deputados estaduais são a última esperança da sociedade sul-mato-grossense para colocar um fim na greve na Segurança Pública. Os policiais militares e bombeiros militares decidiram se aquartelar nesta terça-feira (21), enquanto os policiais civis mantém apenas 30% do efetivo trabalhando.
Nesta manhã, policiais civis e militares invadem o plenário da Assembleia Legislativa, onde esperam ser recebidos pelo presidente deputado Jerson Domingos (PMDB), que junto com os demais deputados tentará intermediar o fim da greve.
Na negociação do reajuste salarial com o Governo do Estado, a Polícia Militar optou pelo aquartelamento, para protestar contra o percentual de 7% oferecido à categoria pelo governador André Puccinelli (PMDB).
O presidente da ACS e BM-MS (Associação de Cabos, Soldados e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul), Edmar Soares, informa que o governo informou que não cederia reajuste maior, o que gerou decisão maciça de aquartelar a tropa.
O aquartelamento funciona como uma paralisação qualquer, mas é o instrumento usado pelos PMs porque a greve é ilegal para os militares. Caso a adesão seja total, amanhã o policiamento deve ficar comprometido nas ruas de Campo Grande.
André chegou a pedir que os policiais enviassem à governadoria a proposta salarial almejada por eles. A PM, por sua vez, solicitou aumento para o equivalente a 17% do vencimento de um coronel para esse ano, 20% para 2014, e aumento toda vez que a patente maior tiver o reajuste. O governador não atendeu ao pedido. (Folha de Campo Grande).

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário