Polícia Militar do Rio esclarece que mototaxista não participou da morte de coronel

A Delegacia de Homicídios da Capital esclareceu que o homem levado pelos policiais militares do 3º Batalhão de Polícia nesta segunda-feira como suspeito de participar do assassinato do Coronel Luiz Gustavo Teixeira no último dia 26 não tem envolvimento com o crime.
Na realidade, trata-se de um mototaxista de 24 anos, que já havia sido ouvido pela Polícia porque no dia da morte do coronel, foi obrigado a transportar um dos criminosos na garupa de sua moto. Ele foi liberado em seguida.
Também na tarde desta segunda-feira, familiares e amigos do Coronel Teixeira fizeram um protesto pelo bairro do Méier, na zona norte do Rio, onde o militar morava.

A caminhada começou na Rua Dias da Cruz e foi até a Rua Hermengarda com Lins de Vasconcelos, onde ocorreu o crime. No ato, vários moradores e representantes de entidades de classe do bairro protestaram contra a onda de violência no Rio de Janeiro.
O oficial foi assassinado quando retornava de uma cerimônia de passagem de comando no batalhão do Leblon, na zona sul do Rio. Após protagonizarem um arrastão, quatro bandidos acabaram acertando o carro do coronel, ao verificarem que ele estava fardado.

Na ultima sexta-feira, o Portal dos Procurados divulgou um cartaz oferecendo uma recompensa de R$ 5 mil  por informações que levem à prisão de Matheus do Espírito Santo Severiano, identificado por imagens de câmeras da região e considerado um dos autores do crime.
Fonte: RADIO AGENCIA NACIONAL

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário