Polícia prende suspeito de chefiar maior milícia da Zona Oeste do Rio

Marcos José de Lima Gomes, vulgo Gão, foi preso nesta terça-feira (5). 
Segundo polícia, suspeito estava com fuzil e outras armas de fogo.

Um homem apontado como chefe da maior milícia da Zona Oeste da cidade foi preso por policiais da Divisão de Homicídios da Polícia Civil (DH) nesta terça-feira (5). Como mostrou o Bom Dia Rio nesta quarta-feira (6), o ex-policial militar Marcos José de Lima Gomes, conhecido como Gão, foi detido no bairro de Cosmos, na região de Campo Grande. Segundo a polícia, ele estava com um fuzil e outras duas armas de fogo.
Foragido do sistema penitenciário, contra ele foi cumprido mandado de prisão pelo crime de formação de quadrilha. Gão seria o substituto, na chefia da milícia, do também ex-PM Toni Ângelo Souza Aguiar, conhecido como Erótico, preso em julho de 2013.
Em julho deste ano, outro homem acusado de chefiar milícias na região de Campo Grande foi preso. Charles Santos Pamplona, de 35 anos, foi capturado em Cosmos e um helicóptero foi usado para levá-lo até a Barra da Tijuca, onde fica a sede da DH. Na ocasião, informações da polícia davam conta de que ele era suspeito de ser um dos assassinos do agente penitenciário Anderson Terra dos Santos, em 2013.
A polícia encontrou na casa de Charles dois veículos roubados, além de um fuzil, pistolas, granadas, munição, coletes a prova de bala, radiotransmissores, telefones e toucas ninja.
Ação de mílicias na região
Em abril deste ano, famílias beneficiadas pelo programa “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, denunciaram ameaças e assassinatos comandados por milicianos na região de Campo Grande, Zona Oeste do Rio, ao RJTV. Beneficiados pelo programa que receberam um imóvel no bairro teriam sido expulsos de residências em um condomínio na Estrada dos Caboclos. Os criminosos teriam a ordem de matar quem não obedecesse à ordem de deixar a casa.
Após a retirada dos moradores, os criminosos teriam colocado as residências à venda na internet. Segundo denúncias, eles faziam ameaças aos residentes quando o dono não pagava taxas cobradas pela milícia. A equipe de reportagem ligou para um dos anúncios dos milicianos, exposto na internet. Os avisos cobram ainda taxas de água, luz e gás, que chegam a até R$ 500.
“Ali pagamento só à vista, tá? O imóvel tá em 52 mil reais. A pessoa vai levar um documento que está comprando, né? Um contrato, que está comprando, a pessoa vendendo, vai assinar comprador e vendedor, a pessoa vai ter todos os documentos originais do imóvel, tá?”, disse um homem, que atendeu a ligação.
Do G1 Rio

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário