Polícia reconstitui morte de menina que foi vítima de suposto ritual no PR

Mãe e amiga são suspeitas de matarem a criança em março deste ano.
As duas mulheres estão presas na cadeia pública de Cascavel.

A Polícia Civil de Cascavel fez a reconstituição do crime que matou uma menina de seis anos em Cascavel, no oeste do Paraná. Em uma entrevista coletiva, a delegada do setor de homicídios da Polícia Civil Mariana Vieira, disse que com a reconstituição, feita na quinta-feira (7), foi possível esclarecer detalhes que estavam obscuros na investigação. De acordo com a Polícia, a mãe e uma amiga são suspeitas de matarem a criança em março deste ano. As duas mulheres estão presas e vão responder pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver.

Conforme a delegada, foram reproduzidas as ações do crime com base nas informações das investigações e apenas a mãe da criança colaborou, a amiga se negou a dar informações e disse que não participou do crime. “O objetivo desse ato foi verificar detalhes de como o crime foi praticado visando a maior aproximação da verdade dos fatos e a individualização da conduta de cada uma das investigadas” explicou a delegada.
Os detalhes da reconstituição só serão divulgados quando a investigação for finalizada, segundo a delegada. A Polícia Civil também ouviu testemunhas que relataram terem sido vítimas da amiga da mãe. “Todos os procedimentos em que são vítimas crianças ou adolescentes eles são resguardados por sigilo, por direito de privacidade dessas crianças. Então existiram outras vítimas sim, mas nós não podemos, por essa questão legal, dar mais detalhes”, informou a delegada.
Entenda o caso
Em fevereiro, Jeferson Ramalho, pai da criança, registrou um Boletim de Ocorrência (B.O) sobre o desaparecimento da menina e da ex-mulher. “Os policiais foram atrás, mas constataram que elas não estavam desaparecidas e sim que tinham mudado de endereço”, disse Santana.
No dia 24 de julho o delegado informou que recebeu a informação de que a criança pudesse ter sido sequestrada. Logo após a denúncia, a polícia deu início à novas buscas pela mãe da menina e a amiga dela, que foram localizadas no dia 29 de julho. “A mãe estava em um sítio, no distrito de São João e a amiga dela em um bairro da cidade”, disse Edgar.
A dupla foi levada para a delegacia de Cascavel e conforme a polícia, durante depoimento, a mãe da menina confessou ter feito um ritual com a menor para purifícá-la. “Segundo o relato da mãe, a criança estava com ‘algo ruim’ e para purificá-la a menina teria que dormir no porta-malas do carro. Horas depois, quando retirou a criança, já sem vida, a mãe disse acreditar que a menina ressuscitaria. Dois dias depois, ao perceber que a criança estava mesmo morta, a mãe e a amiga resolveram enterrá-la”, afirmou.
O corpo da criança foi encontrado também no dia 29, enterrado em uma área rural, em Santa Tereza do Oeste, cidade vizinha. Conforme a polícia, a mãe confessou o crime e indicou onde o corpo havia sido deixado. Já a amiga negou participação na morte.
Em depoimento, a mãe confessou que matou a criança e disse que batia na criança há um ano, por causa de um plano espiritual que ela precisava cumprir para melhorar de vida e que a amiga mandava ela bater na filha para o plano espiritual dar certo.
Do G1 PR

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário