Policiais suspeitos de roubar carga de cigarros são presos no RS

Grupo se apresentou à Polícia Civil após ter prisão preventiva decretada.
Eles podem pegar até 10 anos de prisão e ser expulsos da corporação.

Cinco policiais civis foram presos e afastados das funções após se apresentarem nesta terça-feira (12) à polícia em Porto Alegre. O grupo teve a prisão preventiva decretada pela Justiça por suspeita de roubar uma carga de cigarros contrabandeados do Paraguai que deveria ter sido apreendida.

A ação foi gravada em vídeo (assista ao lado). Segundo a Corregedoria-Geral da Polícia Civil (Cogepol), o episódio ocorreu no final de maio, quando os policiais descobriram, por meio de um informante, que a carga com 330 caixas de cigarro estava em um sítio em Tapes, no Sul do Rio Grande do Sul. Os suspeitos são agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).
De acordo com o delegado Paulo Rogério Grillo, da Cogepol, os agentes articularam uma operação falsa para fingir a apreensão dos produtos. Eles contrataram um caminhão de frete para transporte da carga. Em 27 de maio, seguiram para a propriedade rural. Além do veículo contratado, quatro policiais e o informante foram ao local em uma viatura.
Gravações em vídeo obtidas pela polícia apontam que outra viatura dirigida por um policial encontrou o caminhão de frete e passou a escoltá-lo no retorno até Porto Alegre. Pelas imagens, que mostram os veículos na BR-116 e depois na BR-290, foi possível identificar o telefone de contato da empresa de fretes e o prefixo da viatura.
A Cogepol apurou que a carga havia sido levada para Viamão, na Região Metropolitana, cidade onde mora o informante. Na última semana, seis caixas de cigarro foram apreendidas na residência. Em depoimento, os cinco policiais negaram o roubo.
Os nomes dos policiais não foram divulgados pela Cogepol. Segundo Grillo, a pena por esse tipo de crime pode ir de quatro a 10 anos de prisão. Quando a punições administrativas, os cinco agentes podem ser expulsos da corporação.
Do G1 RS

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário