Quem nos livrará dos homens bons?

Na semana passada fomos “surpreendidos” por uma matéria vinculada em alguns sites, onde o presidente do sindicato dos vigilantes de Alagoas, Jose Cícero da Silva, manifestou-se temerário com relação à legalização do projeto “bico legal”. E reforçou: “Somos contrários a este projeto que tira o pão da boca dos vigilantes!”, arrematando com um firme e sonoro: “Policia é polícia, vigilante é vigilante”.
Antes que adentremos no mérito da coisa, é preciso deixar claro que o “bico legal” não consiste em colocar o policial militar em função de “vigia”. A sua essência, nos moldes do que vemos na Polícia Militar de São Paulo (conforme mostraremos brevemente) é que no segundo dia de folga – se é que podemos chamar o que temos de folga – de forma voluntária, venhamos exercer, fardados, armados e em função de polícia militar atividade de patrulhamento ostensivo a pé – o conhecido P. O –, em escalas sugeridas pela prefeitura municipal e recebendo uma remuneração custeada pelos cofres públicos (e de forma legalíssima, com todos os direitos e atividades inerentes a nossa profissão) por isso.
E nisso, os vigilantes podem ficar tranquilos, pois concordamos na máxima de “Zé Ciço”: “Polícia é Polícia, vigia é vigia!” Acho que isso não precisava nem ser dito de forma tão elementar.
“Entretanto…”
Uma das maiores óbices ao projeto não vem propriamente deste sindicato e nem mesmo da câmara dos edis – vem diretamente dos “homens bons”, e cheios de boas intenções que estão dentro de nossa caserna –, na pessoa dos maiores interessados diretos da não aprovação deste projeto que auxiliaria em muito no resgate da dignidade dos nossos policiais em Maceió, e ainda serviria como espelho para as demais prefeituras seguirem o mesmo expediente.
E estes interessados, por incrível que pareça senhores, são coronéis, majores e até um capitão de nossa briosa Polícia Militar de Alagoas, que de forma malandra e até indecente exploram pecuniariamente o policial militar na folga. E para dar nome aos bois, quem não conhece as figuras do Tenente-Coronel Lima Junior, do Major Amorim e do Capitão Elisiário, os maiores “senhores de engenho” do século XXI desta Polícia Militar – empresários de “visão”, que vivem misturando o que é publico com o que é privado. Por esta razão, para estes “empresários”, mestres em “assessoria”, seria um terror, além de péssimo para os negócios, que a especializadíssima mão de obra tivesse sua hora de folga melhor remunerada. Para eles não há meio termo: esse projeto não deve vingar!
Do outro lado, vemos as figuras dos Comandantes da Área (destaque para a metropolitana), do Comandante Geral da PM e até mesmo “sua santidade”, o Secretario Dário, o César (cuja equação que o rege, não custa lembrar é = má-fé + oportunidades + um pouquinho de falcatruas) desesperados em terem de nos pagar pelas nossas extras, que há muito já fazemos numa espécie de filantropia forçada, porque sabemos que a contrapartida em forma de ajuda de custo que os empresários pagam é até obscena em valores e eles querem mais é “comer essa grana inteirinha sozinhos”.
Portanto, senhores eu lhes afirmo: quem está por trás de toda essa celeuma acerca do projeto do vereador Galba Novaes não é a sociedade civil organizada, mas oficias da PMAL, sobretudo oficiais superiores que estão temerários de ver seus “bicos (i)legais” desaparecerem da noite pro dia.
E quem nos livrará destes “homens bons” e suas boas intenções?

PS: Agradecemos o contato e as sugestões de pauta para as postagens, assim como uma das fotos dessa matéria aos sempre cordiais companheiros que integram a PMMG, amigos do BEF e por tabela inimigos da cúpula da segurança alagoana, os quais salientam o desprazer que tiveram em conhecê-los em sua tamanha empáfia, quando da viagem àquele Estado há alguns meses atrás, por intermédio da “comitiva real da SEDS”. Bem como agradecemos as informações sobre a condecoração do “coronel” Pinheiro e outdoor do dia dos pais, que foram essenciais para matérias anteriores. Valorosos guerreiros da PMMG: estamos juntos nessa luta que é de todos nós!

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário