Sargento pede 'pena de morte para traficantes' no Paraná

Fahur está polícia há 32 anos e já perdeu a conta de quantos traficantes mandou para a prisão
A entrevista de um policial militar rodoviário do Paraná publicada na última terça-feira (4) virou destaque no YouTube. No vídeo, com quase 700 mil visualizações, o sargento Fahur, lotado na região de Maringá, pede pena de morte para traficantes. A afirmação foi feita ao repórter André Almenara, do programa Maringá Urgente, após uma grande apreensão na PR-323, na região de Maringá. A Polícia Rodoviária Estadual localizou no interior de um carro 83 quilos de crack. Conforme o sargento, o prejuízo aos traficantes passou de R$ 4 milhões.
Fahur reiterou as declarações nesta quinta-feira (6). Ele vê o crack com um grande perigoum verdadeiro flagelo para a sociedade. Há 32 anos na coorporação, sendo 7 anos e meio trabalhando como policial rodoviário, ele pediu punição rigorosa para quem prática o tráfico de drogas.
“O chefão do tráfico é um covarde, porque ele fica escondido no Paraguai e não sai para fazer o serviço. Aí sobra para o pé-de-chinelo, para o laranja, que geralmente recebe de R$ 1 mil a R$ 2 mil para transportar essa droga. Esse também precisa de punição rigorosa, porque sem ele o tráfico não se sustenta e é ele quem acaba espalhando essa maldita droga que gera tantos transtornos”.
Desde a postagem do vídeo, Fahur tem recebido muitas mensagens de apoio. Na noite de quarta-feira, recebeu telefonema do Secretário de Segurança Pública do Paraná, Cid Vasques, elogiando a postura dele no combate ao crime.
Na manhã desta quinta-feira, quem procurou pelo sargento foi o comandante-geral da Polícia Militar do Estado, coronel Roberson Luiz Bondaruk, que o parabenizou pelas palavras e pela atuação.
“Espero que o vídeo sirva de exemplo para novos policiais que o Estado está contratando. Que seja usado em palestras. A polícia precisa erguer essa bandeira para vencer o crack”, completou.
Com informações do Bonde
TNOnline

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário