‘Só Deus para ajudar’, responde polícia do RN a queixa registrada na internet

Resposta, por e-mail, foi para uma mulher que registrou queixa de roubo.
Delegacia Geral disse que vai apurar e punir responsável pela mensagem.

Vítima disse que ficou com vergonha quando recebeu resposta da Polícia Civil dizendo que "só Deus para nos ajudar" (Foto: Michelle Rincon/Inter TV Cabugi)Vítima disse que ficou com vergonha quando recebeu
resposta da Polícia Civil (Foto: Fernanda Zauli/G1)
Uma corretora de imóveis de 34 anos foi orientada a buscar uma intervenção divina para reaver o celular que foi tomado dela por um assaltante nesta última quarta-feira (27) na cidade de Parnamirim, na Grande Natal. A mulher registrou queixa do assalto na internet, por meio da Delegacia Virtual da Polícia Civil do Rio Grande do Norte. No entanto, como resposta, recebeu um e-mail dizendo: “estamos todos de mãos atadas, só Deus para nos ajudar”.
A vítima, que pediu para não ser identificada, contou ao G1 que assim que preencheu os formulários na internet recebeu um e-mail que dizia que a solicitação dela seria avaliada. Quinze minutos depois, chegou uma segunda mensagem informando que, por se tratar de um assalto, o caso deveria ser registrado em uma das delegacias de Parnamirim. “Obrigado pelo seu depoimento, sinto muito o que vou dizer, por se tratar de um crime de roubou (assalto), esse boletim de ocorrência só poderá ser registrado em uma delegacia de policia civil de Parnamirim, realmente, estamos todos de mãos atadas, só deus para nos ajudar” (sic), dizia a mensagem.
A assessoria da Delegacia Geral de Polícia do Rio Grande do Norte (Degepol) esclareceu que o caso da corretora não poderia ser registrado na Delegacia Virtual por se tratar de um assalto à mão armada. “São aceitos apenas registros de ocorrências sobre furto ou perda de documentos, objetos e/ou celulares”, informou.
Sobre a resposta enviada à vítima, o delegado geral da Polícia Civil potiguar, Adson Kepler, informou que se trata de uma infração administrativa, e que será instaurado um procedimento para apurar as responsabilidades para que sejam tomadas as medidas cabíveis. Ele promete punir o responsável pela resposta.
Vergonha
“Eu fiquei com vergonha quando li a mensagem. Não sei se ficava com pena de mim mesma, que tinha sido assaltada e não tinha a quem recorrer, ou com pena dos policiais por não poderem fazer nada”, lamentou a corretora. Apesar da orientação da polícia, ela decidiu não procurar as delegacias da cidade. “Pra quê? Vai resolver alguma coisa?”, questionou.
Como funciona a Delegacia Virtual
De acordo com a Degepol, a queixa registrada na Delegacia Virtual passa por uma avaliação que é feita por policiais civis. Se a queixa for homologada, é emitido o boletim de ocorrência. Se o caso não puder ser registrado pela internet, como assaltos à mão armada, homicídio, violência doméstica, por exemplo, é enviado um e-mail para a vítima explicando os motivos pelos quais o BO não pôde ser emitido online e a pessoa é orientada a procurar uma delegacia pessoalmente.
A Delegacia Virtual da Polícia Civil do Rio Grande do Norte foi criada em 2008, ficou dois anos em testes e foi disponibilizada para a população em 2010. Em 2013, homologou 13.589 boletins de ocorrências e rejeitou 3.526 que não se enquadravam nas atribuições da delegacia virtual. Em 2014, até o dia 28 de agosto foram homologados 7.590 ocorrências.
    E-mail enviado pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte em reposta à queixa de roubo registrada na Delegacia Virtual pela corretora de imóveis (Foto: Reprodução/E-mail)
    E-mail enviado pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte em reposta à queixa de roubo registrada na Delegacia Virtual pela corretora de imóveis.
  •  Do G1 RN

Comente esta matéria

Comente esta matéria

Deixe seu comentário